James Brown

James Brown (Get on Up). (Biografia/Drama/Música); Elenco: Chadwick Boseman, Nelsan Ellis, Dan Aykroyd, Viola Davis; Direção: TateTaylor; USA/Reino Unido, 2014. 139 Min.

“James Brown” é a cinebiografia do cantor, dançarino e produtor musical mais conhecido pela alcunha de “Padrinho do Soul” e considerado uma das figuras mais influentes do século XX no mundo da música. Dirigido por Tate Taylor e tendo na produção musical, ninguém menos que, Mick Jagger, “Get on Up” (no original) conta a história da vida de James Brown (1933-2006), sua ascenção meteórica da mais completa miséria ao estrelato e aos píncaros da glória.

348186

O longa-metragem de Tate Taylor tem uma produção cuidadosa em relação as músicas escolhidas, os cenários dos shows, figurino e conta com a atuação primorosa de Chadwick Boseman. A narrativa traz a trajetória do cantor de 1939 ao início dos anos 90. Aproximadamente 60 anos, em que a vida de Brown é entremeada aos seus shows. O discurso é direto-indireto, em que a própria personagem de Brown “conversa” com o espectador. “James Brown” passeia pela vida do astro pontuando os momentos decisivos de sua carreira. Também não deixa de mostrar aspectos dissonantes de sua personalidade e momentos polêmicos, mas o faz de forma sutil, dando um tom leve a uma história que foi, exponencialmente, mais difícil, dura e violenta do que aparece na tela.

201411121141_getu

Tate Taylor tem em “Histórias Cruzadas” seu filme mais proeminente até então, pelo qual foi indicado ao BAFTA e que ganhou o Oscar de melhor atriz Coadjuvante. Mas o que faz de “James Brown” uma pérola é a produção musical/edição de som de Mick Jagger, a direção de arte de Jess Rosenthal de “trapaça” (2013), o figurino de Sharen Davis de “Ray” (2004), a fotografia de Stephen Goldblatt de “Batman Eternamente” (1995) e “Príncipe das Marés” (1991) pelos quais foi indicado ao Oscar, a trilha sonora do mega indicado ao premio da academia (12 vezes) Thomas Newman de “O Exótico Hotel Marigold 2” e a edição de Michael McCuster de “Johnny and June” (2005) pelo qual também foi indicado ao prêmio maior do cinema.

20140314-get-on-up-viola-davis-600x400

Mick Jagger, na seleção e na edição das músicas que compõem o filme, foi cirúrgico e preciso em pinçar os marcos da carreira de Brown e coloca-los nos shows, como: a música de sua primeira gravação Please, Please, Please; a de retorno às paradas de sucesso Try me;  a primeira gravação ao vivo do álbum Live at the Apollo; o seu primeiro sucesso ao atingir o top 20 das paradas Prisioner of Love; a música vencedora do Grammy “Papa’s got a Brand New Bag”; a música que ficou em  primeiro lugar nas paradas R&B (Rithm & Blues) Cold Sweet – tida como a primeira canção Funk americana e a primeira a conter um solo de bateria. Além das músicas alheias que se impuseram como um marco na vida de Brown como Time is on my side dos Rolling Stones e Tutti Fruitty de Little Richards.

877x658

O longa não possui cenas de arquivos de shows, somente fotografias de James Brown. O que nos remete ao trabalho de reprodução destes espetáculos musicais, e foram muitos, sendo fieis à época, como um adendo a mais de competência da galera da cenografia e figurino. Mas, o principal mesmo, é  Chadwick Boseman, que cantou e dançou de verdade. Por conta disso, ganhou o prêmio de virtuoso do festival de filmes de Santa bárbara (2015) e ator do futuro do Cinemacom (2014). (Aqui!)

getonup3

O filme de Tate Taylor já abocanhou os prêmios de melhor edição de som do Motion Pictures Sound Editors (2015), ficou entre os dez melhores no Black Film Critics Circle (2015) dentre outros. “James Brown” nos remete a filmes como: “Ray” (2004), “Jersey Boys: Em busca da Música” (2014) e “Tim Maia” (2014), cinebiografias musicais em que os protagonistas estão explêndidos. A obra não se pretende um documentário, e sim uma versão de James Brown, segundo os olhares dos roteiristas, a direção de Taylor e o Feeling de Sir Jagger. Uma homenagem muito bem feita a um artista que foi influenciado por Ray Charles e Little Richards e influenciou a Mickael Jackson, The Temptations, Miles Davis, os músicos de Hip-Hop dos anos 70 e todos os subgêneros do Funk, além do Afrobeat de Fela Kuti. “James Brown” é um filme para quem gosta de uma história bem contada e de música. Porque é um show com 43 músicas dentre as apresentadas e as tocadas na trilha, e uma remexida no baú de músicas das décadas de 40 a 80. Um presente para os fãs de James Brown.

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in Análise cinematográfica and tagged , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s