A Incrível História de Adaline

A Incrível História de Adaline (The Age of Adaline). (Drama/Romance); Elenco: Blake Lively, Michiel Huisman, Harrison Ford; Direção: Lee Toland Krieger; USA, 2015. 112 Min.

Oscar Wilde dissertando sobre as possibilidades da eternidade escreveu “O Retrato de Doryan Gray”, em que um indivíduo mantinha-se jovem e quem envelhecia era o seu retrato em tamanho natural escondido a sete-chaves. Em “Highlander”, Connor MacLeod (Christopher Lambert) era um guerreiro imortal que acumulava conhecimentos e sobrevivia a seus entes-queridos, embalado pela música de Bryan May “Who Wants to Live Forever”. Essas são apenas algumas das abordagens conhecidas levantadas por nós, mortais, fabulando sobre a possibilidade da eternidade. “A Incrível História de Adaline” engrossa a fileira das dissertações sobre o cotidiano de alguém que cai nesse turbilhão que fascina a todos os setores de nossa vida, da medicina às artes.

A-Incrível-História-de-Adaline-650x400

Adaline Bowman (Blake Lively) é mais uma menina dentre tantas outras, com uma vida normal, até se deparar com a impossibilidade de envelhecer. Vê seus entes-queridos morrerem, acompanha contemporaneamente momentos importantes da história da humanidade, mas vive fugindo. Foge da vida, dos amores, dos amigos, das autoridades, para que não descubram seu dilema. A roteirização de J. Milles  Goodloe  de “Melhor de Mim” e Salvador Paskowitz abarca o calvário da eternidade e encontra no amor a redenção para todos os males, no melhor estilo Nicholas Sparks. A participação de Harrison Ford como William Jones, confere um peso comercial a obra, que tem uma abordagem bem cuidada. O uso do insólito, do inusitado e do sobrenatural se insere numa fabulação científica  e sociológica/psicológica que transforma o processo de envelhecimento numa benção.

the-age-of-adaline

Porém, a menina dos olhos de “A Incrível História de Adaline” é o figurino. Assinado por Angus Strathie, oscarizado por “Moulin Rouge”, faz uma viagem pela história e suas épocas. O diretor Lee Toland Krieger  não é tão conhecido. Jovem, ganhou o prêmio de melhor cineasta emergente no Festival de Filmes de Denver por “The Vicious Kind” (2009). A trilha sonora ficou com Rob Simonsen de “Foxcatcher: Uma história que Chocou o Mundo”, só faltou a música do Bryan May.

AgeD2-036.dng

AgeD2-036.dng

E por falar em aspectos não tão positivos, a narrativa de Hugh Ross explica demais, pontua demais, fecha demais e tira a possibilidade de fabulação do espectador com seu repertório e suas redes, de inserir explicações suas e devanear na história. J. Milles Goodloe, quando fecha as explicações na ciência, tira o espaço da fábula, do fantástico, do mágico, da espiritualidade, da metafísica, do extraordinário e do que mais o repertório do espectador alcance.

593659_jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

O Filme de Lee Toland Krieger é uma reflexão sobre o processo de envelhecimento. Mais do que aceitar a maturidade  se deseja isso, se faz enxergar a importância da finitude. Afinal é uma história de amor em que o felizes para sempre é contrariado, tudo o que se quer é envelhecer juntos… Nunca um fio de cabelo branco foi tão bem-vindo.  Num mundo em que estamos envelhecendo com qualidade é, no mínimo, uma reflexão interessante. Assertivo e divertido!

AgeD22-037.dng

AgeD22-037.dng

Advertisements

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s