Tomorrowland – Um Lugar Onde Nada é Impossível

Tomorrowland – Um Lugar Onde Nada é Impossível ( Tomorrowland). (Ação/Aventura/Fantasia); Elenco: George Clooney, Hugh Laurie, Britt Robertson; Direção: Brad Bird; USA/Espanha, 2015. 130 Min.

O filme de Brad Bird, com história e roteiro de Damon Lindelof, é uma caixa de pandora do bem. Visto de fora parece mais um filme infanto-juvenil, adocicado e  fantasioso da Disney que parte de um lugar comum e fica nele, mas não é. “Tomorrowland” (no original) é um passeio pelas mudanças já ocorridas no mundo, apresenta seus autores e mostra as duas possibilidades que temos em relação ao futuro do planeta, para o bem e para o mal. Costurados pela premissa dos dois lobos que temos dentro de nós e ancorado no otimismo, postula o “Acreditar/crer” como combustível para tudo, e o amanhã como espaço no tempo em que tudo é possível. E como se não bastasse, fundamenta tudo isso de uma forma brilhante.

Tomorrowland

Einsenstein, no início do século XX, acreditava que o cinema era uma arma eficiente para fazer a revolução. De que seu alcance de massa e a sua possibilidade de veicular ideologias poderia tornar o mundo mais justo social e economicamente. Talvez não tenha funcionado assim, e pode parecer quase que um sacrilégio fazer analogias entre Einseisntein e a Disney, mas é essa linha de “Vamos fazer a revolução”   e de “Vamos mudar o mundo”  muito bem fundamentada, (esse é o diferencial), que move a produção de “Tomorrowland – Um Lugar onde Nada é Impossível”. O argumento é muito bem conduzido, Damon Lindelof  nos apresenta, atravessado ao roteiro, os homens que um dia fizeram diferença no mundo e o mudaram,  tornando-o  no que conhecemos hoje: Albert Einstein, Nikola Tesla, Julio Verne, Thomas Edison e Gustave Eiffel e partir daí constrói seu argumento de possibilidade de mudança no mundo usando o que todos tinham em comum, acreditar naquilo que faziam. Com frases de Einstein, uma protagonista de sobrenome  Newton,  voltado para a juventude, com cara de filme de criança do gênero fantasia, e representando três gerações em seus personagens principais,  “Tomorrowland”  mexe com tudo o que acreditávamos quando éramos criança, e sugere que esta criança ainda esteja viva dentro de nós, na personagem de George Clooney (Frank Walker) e nos diz com todas as letras que  é aquela força motriz que tínhamos que move o mundo e que não pode morrer. Complexo assim!

full-length-disney-s-tomorrowland-released

A história consiste no fascínio pelas estrelas da menina Casey Newton (Shiloh Nelson/Britt Robertson), filha de um engenheiro da NASA Eddie Newton (Tim McGraw) e que é observada por um androide do futuro Athena (Raffey Cassidy) – na mitologia grega, deusa da guerra, da civilização, da sabedoria, da justiça, da estratégia, das artes e das habilidades – que lhe presenteia com um bóton que a transporta para uma possibilidade de futuro. ( Tomorrowland fala de física quântica na linguagem de crianças) e partir daí mostra o que estamos fazendo com o nosso planeta. Mais do que isso, nos explica qual o processo utilizamos para promover tamanha destruição. Tudo isso em meio a clichês de filmes infantis. Tomorrowland  é de uma perspicácia invejável.

Tomorrowland-Movie-pointfgeeks

Os autores dessa façanha são Damon Lindelof da série de TV “Lost” que criou a história e a roteirizou e Brad Bird ganhador de dois Oscares por “Ratatouille” e  “Os Incríveis” que dirigiu o longa.  Com muitos efeitos especiais, recriando as fantasias infantis e os cruzamentos dessas com a vida adulta, a fotografia de Claudio Miranda, oscarizado por “As Aventuras de PI” e a trilha sonora de Michael Giacchino, também de “Lost”, o longa nos remete a “Alice no Pais das Maravilhas” (1951), “De Volta para o Futuro” (1985) e “Efeito Butterfly” (2004),no que diz respeito a viagem por dimensões diferentes e a possibilidade de mudança do futuro, mas com muito mais originalidade.

ZZ5E9CC668

“Tomorrowland – Um Lugar Onde Nada é Impossível” é um incentivo ao otimismo, ressuscita nossos sonhos infantis  de mudar o mundo, nos questiona sobre onde foi que nos perdemos e tem uma abordagem surpreendente. A premissa maior é: “Procura-se sonhadores”. A cara de Walt Disney.

Em tempo: não saia antes do término dos créditos finais, tem um convite  para você.

optimist-pin-2

“A imaginação é mais importante que o conhecimento”

(Albert Einstein)

Advertisements

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s