Tangerine

Tangerina (Tangerine). (Comédia/Drama); Elenco: Kitana Kiki Rodriguez, Mya Taylor, Karren Karagulian, James Ransone; Direção: Sean Baker; USA, 2015. 88 Min. #FestivalDoRio2015

Concorrendo ao prêmio Félix do Festival do Rio 2015 “Tangerine” possui temática referente ao mundo Queer e já recebeu quatro prêmios em festivais esse ano, foi seleção oficial de Sundance e indicado a melhor filme no London Festival. O que “Tangerine” tem que o outros não têm? Além de estrelado por atrizes travestis, foi todo filmado com celulares de última geração (Iphones) e foi justamente neste quesito que foi ovacionado. O filme tem uma pegada de submundo, contextualizado em Los Angeles e ainda versa sobre hipocrisia, sobrevivência, felicidade e o que é verdadeiro nas relações contemporâneas.

maxresdefault

Sin-Dee (Kitana Kiki) acaba de sair da cadeia depois de uma pena de 28 dias e descobre através de sua amiga Alexandra (Mya Taylor) que seu namorado/cafetão Chester (James Ransone) está com outra pessoa. E esta é uma mulher….de verdade, natural. Possessa Sin-Dee vai à caça do namorado para pedir satisfações e depois atrás da ‘amante’. Nesse ínterim o taxi de Razmik (Karren Karagulian), um imigrante romeno é o palco do cotidiano de Los Angeles. Ali os passageiros são um pouco de tudo que tem na cidade e a questiona,  o próprio Razmik se imiscue neste contexto paradoxal, numa crítica visceral a hipocrisia.

a531f54c-9bc8-4919-a901-6ba4a05ca05f-620x372

O longa é dirigido por Sean Baker  de “Prince of Broadway” (2008).  Com “Tangerine” foi agraciado com o premio do júri do Festival de Deauville; o Câmera Independente do Karlovy Vary Festival; O Director to Watch do Festival de Palms Springs e o Stanley Kubrick Awards do Tranverse City film Festival. O diferencial do filme é, realmente, a modalidade de filmagem, a façanha foi realizada em conjunto com Radium Cheung, e o roteiro em parceria com Chris Bergoc. Mas  poderosa mesmo foi a  mistura de Beethoven remixado,  com MCs em canções no estilo funk,  numa trilha sonora muito louca e que espelha o paradoxo das ações e emoções das personagens na história.

untitled

“Tangerine” é aparentemente uma produção de fundo de quintal que ganhou vida própria. Um filme que aborda o submundo da prostituição e das drogas, e as relações humanas, de uma forma geral, dentro desse caos de selva de cidade grande. Faz referência a “Minha Adorável Lavanderia” (1985) de Stephen Frears e algumas reflexões nas quais não se proposita a se aprofundar, mas sim deixar no ar. O longa de Sean Baker é uma boa pedida para se despir do preconceito e fazer análises sobre as válvulas de escape da hipocrisia. Mas a pegada é de diversão mesmo.

  • Festival do Rio 2015 – Mostra Expectativa.
  • “Tangerine” ganhou o prêmio Félix do Festival do Rio 2015. (editado em 05/02/2016)
  • Classificação indicativa: não recomendado para menores de 16 anos
Advertisements

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s