A Ilha do Milharal

A Ilha do Milharal (Simindis Kundzuli/Corn Island). (Drama/Guerra); Elenco: Ilyas Salman, Mariam Buturishvili, Irakli Samushia, Tamer Levent; Direção: George Ovashvili; Georgia/Alemanha/França/República Checa/Kasaquistão/Hungria, 2014. 100Min.

Existe um ditado popular que diz; “De onde não se espera é que vem…” . Isso, possivelmente se aplica ao filme de George Ovashvili. Produzido por um pool de países europeus, é majoritariamente da Georgia,  uma ex-república soviética do Oeste Europeu, que não tem tradição em cinema e que, faz bem pouco tempo estava numa guerra sangrenta. Pois bem, esse país tem em “A Ilha do Milharal” uma saga idílica do caminhar da humanidade, tendo como coluna vertebral do roteiro as naturezas – a ambiental e a humana – imbricadas, com uma fotografia exuberante e num quase silêncio.

75ddd52d6c616aacb64a19533468e88e

Filmado no Rio Inguri na reserva Tkibuli em Imereti , na Geórgia, o roteiro de Roelof Jan Minneboo e Nugzar Shataidze, juntamente com George Ovashvili  aproveitam o fenômeno natural em que, as águas da chuva  que lavam as montanhas na primavera assoreiam o rio criando pequenas ilhotas com solo fértil, como argumento para desenhar – a palavra é essa –  uma história belíssima sobre o homem, as naturezas, a efemeridade e o legado.

A-Ilha-dos-Milharais-Crítica-Mostra-São-Paulo

Depois das tais chuvas, um homem velho (Ilyas Salman) escolhe uma ilha para fazer sua casa e prover seu sustento. E juntamente com sua neta, a garota (Mariam Buturishvili) Constroem sua casa, plantam o milho, fazem sua mudança, aram a terra e vivem sua rotina cotidiana, num entorno de guerra. conseguindo viver em paz. A vida segue com seus encontros, medos, cuidados e perscrutações e seu devir. Ali se acompanha a menarca da garota, sua mudança de menina a moça, o nascimento do desejo, a influência dessa natureza sexualizada no comportamento social e a ação da natureza no homem (humanidade). Da natureza no homem que procria àquela que mata, da natureza que concede alimento àquela que leva tudo. Os grandes ciclos naturais, quer reconheçamos ou não, dos quais são compostos a existência- começo, meio e fim, os ires e vires da renovação – O legado que recebemos e o que deixamos e o quanto somos passageiros com tudo e como tudo o que nos cerca.

171953.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

O filme de george Ovashvili é simples na narrativa, mas nas conexões de aspectos ele é complexo e brilhante. Brilhante porque diz o que quer dizer, com takes panópticos e supercloses, com olhares poderosos e expressões silenciosas; e porque o grande veículo para toda essa comunicação é a fotografia. Assinada pelo húngaro Elemér Ragályi – ganhador do Primetime Emmy por “Rasputin” (1996) – transporta o espectador para aridez do humano com seus tons pastéis em meio a riqueza de vida da água e do verde das árvores. O restante as atuações fazem. O ator turco Ilyas Salman e Tamer Levant (oficial do exército) são os mais experientes,os demais estão fazendo seu primeiro trabalho em cinema mas que dão conta do recado magnanimamente.

169922.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

O longa nos remete a “Primavera, Verão, Outono, Inverno….e Primavera” (2003) de Kim Ki-duk, no silêncio, no passar das épocas e na atuação sempre posta no presente permeado pelo cotidiano. George Ovashvili e os roteiristas estão em seu 3º/4º longa-metragens e foram felizes na abordagem e no veio poético do filme, sem adocicamentos e firulas. Com os pés no chão eles conferiram a “A Ilha do Milharal” um poder de metaforização de homem/natureza espetacular, onde um contém o outro e o outro está contido no um. Por tanto o filme foi ovacionado no mundo inteiro com 21 prêmios e 11 indicações (segue a lista dos principais prêmios no final do texto).

8023

Orçado em Hum milhão e meio de Euros e versado em russo e dialetos regionais, com meia duzia de frases e 1h20m de exibição, com signos fortes e conexões extraordinárias “A Ilha do Milharal” é o exemplo de como se pode dizer tanto com tão pouco… Espetacular e tocante!

Lista de premiações de “A Ilha do Milharal” de George Ovashvili:

Premios do público: Festival de Athenas; Cottbus Film Festival of Young East European Cinema; Fribourg International Filme Festival; Montpelier Mediterranean Film Festival, Trust Film festival.

Premios especiais do juri: Tetouan International Mediterranean Film Festival; Terra de Siena Film Festival; Luxor Egyptian and Europena Film festival; Karlovy Vary International Film Festival.

Grandes prêmios: Kinoshok-Open CIS and Baltic Film Festival; Split International Film Festival of New Film.

Premios da Crítica: FIPRESCI no Festival de Athenas; Menção Honrosa no Festival Internacional de São Paulo; Montpelier Mediterranean Film Festival.

Melhor Filme: Cinequest San Jose Film Festival; Montpelier Mediterranean Film Festival.

Melhor fotografia: Kinoshk-Open CIS and Baltic Film festival; Minsk International Film festival

Troféus: O Globo de Cristal do Karlovy Festival; A Antígona de Ouro do Montpelier Mediterranean Film Festival; o Bridgind the Borders Awards; A agulha de ouro do Seattle International Film Festival.

Fora outros prêmios mais específicos e indicações.

 

Advertisements

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s