A Ovelha Negra

A Ovelha Negra (Hrútar). (Drama); Elenco: Sigurôur Sigurjónsson, Theodor Juliusson; Direção: Grímur Hákonarson; Islândia/Dinamarca/Noruega/Polônia, 2015. 93 Min.

“A Ovelha Negra” é uma dessas preciosidades que nos faz perguntar como alguém teve uma ideia tão simples e ao mesmo tempo tão grandiosa  com tão pouco: dois irmãos, uma fazenda dividida ao meio e dois rebanhos de ovelhas. Mas foi isso que o Islandês Grímur Hákonarson fez roteirizando e dirigindo o longa.

411172.jpg-r_160_240-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

O filme conta a história de um momento na vida de dois irmãos, Gummi (Sigurôur Sigurjónsson) e Kiddi (Theodór Juliusson) que vivem na mesma fazenda separada por uma estrada e que não se falam há 40 anos. Depois de um concurso de ovelhas – a criação de ovinos é atividade econômica e cultural do país –  o animal de Kiddi vence,  e Gummi vai averiguar o que tem aquela ovelha de melhor em relação às outras, e muito principalmente, em relação à sua. E descobre indícios de Scrapie, uma doença neurodegenerativa que é altamente contagiosa entre os animais, embora não o seja para os humanos, mas que implicaria no abate de todos os rebanhos do vale. Esse é start para uma saga de conflitos entre os dois irmãos.

ovelha

A maestria do filme está em colocar sob o holofote a personalidade dos irmãos, sem se deter nos motivos pelos quais não se falam. Isto não é importante, o que realmente importa é quem são, em que circunstâncias se encontram e o que vão fazer diante dela dentro desse contexto e que desfecho vai ter essa história, tudo isso entrecortado com muita solidão e silêncios. A radiografia desse desafeto é feita de forma limpa sem imbricar com histórias de outros personagens e sem conexões com metáforas. Não existem camadas e subcamadas a serem analisadas, mas sim, a assertividade da narrativa em relação aos dois irmãos. O grande exemplo disso é o título da obra, que não é nem conexão, nem metáfora para nada, apenas o start da história.

375502-r_640_600-b_1_d6d6d6-f_jpg-q_x-xxyxx

O filme é o terceiro longa-metragem de Grímur Hákonarson, que possui trabalhos reconhecidos, mas todos regionais. Premiado mundo afora pelas atuações de Sigurôur e Theodór, pela fotografia e pela direção “A Ovelha Negra” foi aposta da Islândia para o Oscar 2016, não chegou à final mas está rodando mundo afora. Além do sapo de prata do Camerimage 2015 (prêmio maior de fotografia) ganhou Un certain Regard do Festival de Cannes 2015 e o Golden Tower de melhor file no Palic Film Festival e o FIPRESCI de melhor ator para os dois atores principais no festival de Palm Springs. Dentre os destaques: a trilha sonora de Atli Örvarsson de “João e Maria: Caçadores de Bruxas” (2013) e a fotografia do competente Sturla Brandth Grovlen de “Victoria” (2015) – o plano-sequência de mais de duas horas -.

209773

Para resumir “A Ovelha Negra” é um filme Islandês que traz uma versão de caim e Abel com final feliz e que de lambuja ainda nos apresenta um pouco da cultura da Islândia. Vaticinando: hilário e cativante!

rams2

 

Advertisements

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s