De Onde Eu Te Vejo

De Onde Eu Te Vejo (Romance/Comédia); Elenco: Denise Fraga, Domingos Montagner, Marisa Orth, Manoela Aliperti; Direção: Luiz Villaça; Brasil, 2014. 90 Min.

Com história e direção de Luiz Villaça, roteiro também dele em conjunto com Rafael Gomes e Leonardo Moreira e concepção de  Sérgio Roveri, “De Onde Eu Te Vejo” é um filme nacional co-produzido pela Warner que conta a história da separação de Ana Lúcia e Fábio, após  vinte anos de casamento. Embalados pelo argumento do ‘devir’ da vida que se estende à cidade de São Paulo, à vida de seus habitantes, às profissões de ambos e ate à natureza, o longa é um romance bem humorado e realista.

de-onde-eu-te-vejo-warner-pictures

Ana Lúcia (Denise Fraga) e Fábio (Domingos Montagner) foram casados por vinte anos e tiveram um filha, a Manoela (Manoela Aliperti), que está deixando o ninho para fazer faculdade fora da cidade. Após a separação Fábio vai viver num apartamento do prédio do outro da rua. Rotina nova, vida nova, a adaptação aos poucos vai se dando, não sem resistência, é claro. Mas, com muita reflexão sobre os processos de mudanças que estão por todos os lados no cotidiano.  O argumento do longa metragem são as mudanças que a vida impõe a todos nós. A mudança de emprego, a readaptação a uma nova forma de trabalhar, a mudança de casa, a mudança da forma com a qual se está acostumado a ver a vida. A cidade de São Paulo também entra na conta quando os prédios mais velhos vão sendo demolidos e dão lugar aos prédios mais novos, aos condomínios modernos. E isso nos remete a “Medianeras” (2011) de Gustavo Taretto em que a cidade de Buenos Aires também atravessa a vida do casal protagonista com conexões metafóricas.

195631

As atuações de Denise Fraga, conhecida pelas séries de um programa dominical da TV aberta; e Domingos Montagner, de “O Brado Retumbante”, são muito bem integradas, têm um time gostoso e competente e uma boa química. O diretor Luiz Villaça conhecido por “O Contador de Histórias” (2009) e pela série de TV “Central da periferia” (2006) orquestrou uma história simples, que era para ser triste, com muitas e boas conexões, misturadas aos cotidianos das pessoas, sem deixar a poesia de lado. A cereja do bolo é roteiro que faz da renovação arquitetônica de uma cidade, juntamente com a revisão do suporte de uma profissão e da separação de um casal para um novo começo, combustível para fazer pensar no devir da vida e no processo que nos faz sobreviver a tudo isso: a adaptação.

blogdoeulalio_deondeeutevejo6

O filme faz da abordagem do cotidiano um caldo de possibilidades em que, qualquer um pode se identificar em algum momento, e refletir sobre a vida e seu movimento. “De Onde Eu Te Vejo” é um painel do movimento da vida em 24 frames por segundos. Engraçado e leve.

d

 

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s