Animais Fantásticos e Onde Habitam

Os Animais Fantásticos e Onde Habitam (Fantastic Beasts and Where Find Them) (Aventura/Família/Fantasia); Elenco: Eddie Redmayne, Colin Farrell, Dan Fogler, Katherine Waterston, Ezra Miller, Samantha Morton; Direção: David Yates; Reino Unido/USA, 2016. 133 Min.

“São humanos, diante do desconhecido eles atacam” 

Esse ano os filmes do gênero fantasia ‘bombaram’ no circuito, tanto em relação a arte cinematográfica com  “Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos” e  “O Bom Gigante Amigo”, quanto em relação a roteiro, com histórias intrincadas e inteligentes, como “O Lar da crianças Peculiares”. Não precisa dizer que o ingrediente  mais importante nessa receita é  a criatividade. E nesse quesito ninguém melhor que J.K. Rowling, a autora da saga de Harry Potter que arrebanhou fãs no mundo inteiro, para nos dizer quão rico é o mundo da fantasia. Em “Animais Fantásticos e Onde Habitam” ela excede esse território e amadurece as questões entrando na seara política com sutileza.

fantastic-beasts-and-where-to-find-them-poster

A história se passa 70 anos antes da saga do bruxinho de Hogwarts e tem no seu personagem principal, Mr. Newt Scamander (Eddie Redmaine) um magizoologista, uma espécie de cientista do mundo dos animais mágicos. O livro aparece como sendo didático na escola de magia e bruxaria de Hogwarts em “A Pedra Filosofal”. Aqui ele está sendo escrito e seu autor e ecologista do mundo mágico está em Nova York às volta com Pelúcio (um ornitorrinco apaixonado por metais) quando se mete em uma polarização ideológica entre bruxos e não bruxos (os trouxas). Em plena década de 20, à beira de uma recessão, a cidade se arma contra os diferentes, segrega-os. Entre os nichos também existem rachas e camuflagens. Nesse espaço de interseção existem os bruxos que, por temor, não desenvolvem seus talentos, reprimindo-os e se tornam hospedeiros de uma força poderosa chamada Obscurius detentora de um grande poder de destruição. Nesse contexto bizarro, cruza o caminho de Scamander, Jacob Kowalski (Dan Fogler), um padeiro que sonha em abrir sua loja de guloseimas e está a caminho do banco para conseguir um financiamento, quando se mete na maior aventura de sua vida. E a graça da história é essa, Rowling usa o simples, o infantil e a comédia como vitrine para falar de segregação, de preconceito com o diferente, de embotamento de talentos, de perseguição política (bruxos X trouxas) e sobre racha de poder – que não é privilégio só de humanos –  com uma pegada diferente da abordada em Harry Potter,e ainda dá um alfinetada na imprensa. Tudo isso com suavidade e leveza, imbuídas num mundo encantado, de fantasia e cheio de singelezas. Não faltou nada: ação, mistério, aventura, romance, criticismo, comédia, tudo na dose certa.

animais-fantasticos-e-onde-habitam-critica-03

O roteiro ficou por conta da própria autora que não deixou a peteca cair e ainda se  imiscui, como persona, a um personagen (atenção à última cena). A direção de David Yates agradou. Também pudera, já virou especialista no mundo de J. K. Rowling dirigindo “A Ordem da Fênix” (2007); “O Enigma do Príncipe” (2009) e “As Relíquias da Morte 1 e 2 (2010/2011). A trilha sonora ficou com super indicado ao Oscar ( 8 vezes) de “A Vila” (2004) e a fotografia genial, que é a alma do longa, é assinada por Philippe Rousselot de “A Fantástica Fábrica de Chocolates” (2005).O destaque vai para Dan Fogler que rouba a cena, para Colin Farrell como Graves e Johnny Depp como Grindelwald.

cenas-do-filme-animais-fantasticos-e-onde-habitam-2016-de-david-yates-1478556397290_956x500

O filme esbanja criatividade, inventividade, fantasia e sonhos. Todos livres sem rédeas e em ação. Assim é o universo de J. K. Rowling, um talento que conquistou o mundo, estando no lugar certo, na hora certa e que prova que num espaço/tempo saturado como o nosso ainda há muito a ser inventado, pelo menos no âmbito da fantasia. Rowling com seu universo próprio, original e rico em aspectos é comparável a J. R. R. Tolkien com seu mundo dos Hobbits e a C. S Lewis com o mundo de Nárnia. Além de quebrar um paradigma negativo: J. K. Rowling vive de literatura e bem. “Animais Fantásticos e Onde Habitam” vale a pena ser conferido, pela arte e pela história.

174044

Editado 27/11/2016

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Animais Fantásticos e Onde Habitam

  1. Lucia Trejo says:

    Este filme se tornou em uma das minhas histórias preferidas desde que li o livro Animais Fantásticos e Onde Habitam, quando soube que seria adaptado a um filme, fiquei na dúvida se eu a desfrutaria tanto como na versão impressa. Colin Farrell é um excelente ator e fez um gran trabalho em o filme.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s