Animais Noturnos

Animais Noturnos (Nocturnal Animals) (Drama/Thriller); Elenco: Amy Adams, Jake Gyllenhaal, Michael Shannon, Aaron Taylor-Johnson; Direção: Tom Ford; USA, 2016. 116 Min.

Olhar de forma especial para os filmes de Tom Ford começa com “Direito de Amar” (2009). Ali Tom apresenta ao espectador seu estilo de contar histórias. O que pode ser uma marca registrada ou um limite, só o tempo dirá. A lentidão, a trilha cativante, a fotografia primorosa e os pulos no espaço/tempo. Em “Animais Noturnos” ele repete a fórmula com ingredientes mais agressivos. O longa é seu segundo filme como diretor, também é uma adaptação literária e também uma história de amor. Mas dessa vez com ares de vingança destilada com requinte e sofisticação até o último minuto e em todos os aspectos: da constituição da história à tecnicalidade cinematográfica. Premiado em diversos espaços de exibições competitivas, entre eles o Festival de Veneza e indicado a três Globos de Ouro “Animais Noturnos” é um enigma. Do ritmo à forma de contar a história e juntar todos os cacos e hiatos numa jornada difícil,  da divisão em três camadas cheias  de parênteses e metáforas à fotografia e direção de arte de tirar o fôlego.

158686

Edward (Jake Gyllenhaal) é um escritor jovem  que se apaixona por Susan (Amy Adams), igualmente jovem, na faculdade. Vencidas as dificuldades iniciais, como a resistência da mãe de Susan, ficam juntos. Porém, a realidade é menos purpurinada que o sonho e Susan o troca por um homem mais bem sucedido. Vinte anos depois ele escreve um romance dedicado a ela intitulado Animais Noturnos e o envia para que ela leia em primeira mão. E o desenrolar da história se dá com a leitura do livro associada às lembranças da relação e os acontecimentos presentes.

nocturnal-animals-620x318

A palavra-chave do longa é analogia, as comparações entre o que é lido, de sua essência violenta com a impactação dos acontecimentos da relação na vida de Edward. A questão é a forma com a qual Tom Ford decide contar essa história: impingindo seu jeito lento, com uso de poesias imagéticas, que neste caso, em especial, são violentas. O filme é entrecortado, com grandes parênteses na história do livro. O que possibilitou Michael Shannon (Sherife Bobby) e Aaron Taylor-Johnson (Ray) a brilharem e a receberem prêmios e indicações por suas atuações;  e ao espectador se perder na história se não estiver atento. O que é incontestável em “Animais Noturnos” é a magistralidade da fotografia de Seamus McGarvey – ganhou o prêmio do círculo da Crítica de Dublin – e a direção de arte de Christopher Brown de “Straight Outta Compton” (2015). O filme é baseado no livro “Tony and Susan” de Austin Wright e a  adaptação recebeu o Prêmio de melhor roteiro adaptado da crítica de Las Vegas. No Festival de Veneza abocanhou o Grande Prêmio do Jury para Tom Ford.

6141_w840h525_1475179048noturnos-b

Animais Noturnos” é um filme que testa o espectador. Tanto em relação a atenção, quanto em relação a coerência – a conexão dos links procedentes entre as histórias que pertencem à narrativa. Para quem curte uma boa fotografia e uma plasticidade impecável o filme é um  deleite. Para quem espera uma história intrincada que fecha redondinho, com ritmo cadenciado e um bom andamento, nem tanto. Sobram arestas.

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s