Nas Estradas do Nepal

Nas Estradas do Nepal (Kalo Pothi/The Black Hen) (Drama); Elenco: Khadka Raj Nepali, Suckra Raj Rokaya; Direção: Min Bahadur Bham. Nepal/França/Alemanha/Suíça, 2015. 90 Min.

No cessar fogo da revolução Maoísta do Nepal (1996-2006), acontecido em 2001 dois meninos vivem o dilema de resgate da galinha de estimação Karishma, que era responsável por fornecer ovos para o sustento da família. Essa história simples é a coluna vertebral do passeio cultural e político que o diretor e o roteirista  fazem em “Nas Estradas do Nepal”. Na periferia desse eixo condutor estão os sequestros de crianças e adolescentes para fortalecer o braço revolucionário do movimento comunista, a abordagem da inocência e do amadurecimento, a mistura de castas e o impacto da violência na vida das pessoas da aldeia, principalmente das crianças.

184699-jpg-c_215_290_x-f_jpg-q_x-xxyxx

Prakash (Khadja Raj Nepali) é menino aldeão que ganhou uma galinha de sua irmã (Hansha Khadka). Com receio de que os vizinhos a devorassem a esconde dentro de casa e da-lhe um nome – Karishma. Seu pai (Jit Bahadur Malla) insatisfeito com uma galinha dentro de casa e tratada a pão-de-ló, a vende a um passante. Quando Prakash descobre tem que conseguir o valor para ressarcir o comprador. E começa a saga dele e de seu amigo  Kiran (Sukra Raj Rokaya) – que é de uma casta superior – para resolver a questão. “Nas Estradas do Nepal” usa uma narrativa ingênua, doce, cheia de graça imiscuída à cultura hinduísta,  atravessada pela violência da revolução e acrescida a  quebra de paradigma das diferenças entre castas. O filme é uma viagem pelo imaginário infanto-juvenil em meio à carência de tudo – de alimentos à condições educacionais – à guerrilha e à magia da visão de uma criança em relação a realidade.

20161213-03-nas-estradas-do-nepal-papo-de-cinema

O primeiro longa-metragem de Min Bahadur Bham é singelo e duro ao mesmo tempo. Dividindo o roteiro com Abinash Bikran Shah, o diretor traz para a telona a história do pequeno período de cessar-fogo do movimento de revolucionário do Nepal sem precisar ser didático ou histórico, mas permeado pelo cotidiano do que se tem de mais puro, a criança e o que ela institui como valioso. Coproduzido por Nepal, França, Alemanha e Suiça o longa-metragem também traz uma mensagem de igualdade quando mistura as vestes dos meninos de castas diferentes e os põe sem os caracterizadores sociais da diferença num rio a tirar os vestígios de uma guerrilha. “Nas Estradas do Nepal” recebeu o prêmio de melhor filme da semana da crítica do Festival do Veneza – o Fedeora Awards – e é uma ode à cultura nepalense. Falado em Nepali, tem uma trilha sonora com ritmos locais assinada por Jason Kunwar e uma fotografia poética de Aziz Zhambakiev. E conta, ainda, com as atuações memoráveis dos dois meninos: Khadka e Suckra.

20161213-05-nas-estradas-do-nepal-papo-de-cinema-600x323

“Nas Estradas do Nepal” é daqueles filmes que a gente só vê em festivais . Logo é uma sorte de cinéfilo tê-lo , ainda, em cartaz no circuito. O filme é uma aventura dicotômica doce e cheia de graça.

 

Advertisements

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s