Norman – Confie em Mim

Norman – Confie em Mim (Norman: The Moderate rise and Tragic Fall of a New York Fixer) (Drama/Thriller); Elenco: Richard Gere, Lior Ashkenazi, Charlotte Gainsbourg; Direção: Joseph Cedar; Israel/EUA, 2016. 118 Min.

Com título original com cara de trabalho acadêmico, em tradução livre: “Norman: A Moderada Ascenção e a Trágica Queda de um Faz-tudo de New York” o mais recente filme de Joseph Cedar é uma produção israelense com um veio político inteligente, mas com uma abordagem leve e engraçada.

Norman Oppenheimer (Richard Gere) é um homem de bem, comum e que procura ocupar o seu tempo ajudando pessoas. Seu hobbie são as relações sociais e suas conexões. A partir dessa mania ele esbarra com um futuro político importante,faz apostas com amigos sobre como conectar pessoas através da ajuda e da solidariedade trabalhando por um bem comum, mas o faz como se fosse um operador da bolsa de valores. Possivelmente, uma metáfora para o que seria o seu capital.

A questão que move o roteiro é a de que Norman é um cara que quer consertar o mundo, conectando-o. Quer provar para si e para os demais que o ser humano é nobre, que o bem sempre vence, e que existe humanidade, solidariedade, generosidade e respeito entre as pessoas como se fosse uma grande corrente. Mas, dentro desse contexto dar uma alfinetada na politica não cai mal,  versar sobre o processo de paz no Oriente Médio,  içar um homem simples aos píncaros da glória pelos seus feitos e mostrar a sordidez humana fazem parte do pacote. E o forte dessa empreitada é a abordagem, que abarca um tema tão subjetivo e intrincado combinado com outros temas.

Falar de influência presume reunir áreas diferentes, camadas diferentes, interesses diferentes e poderes diferentes e fazer tudo  isso tudo numa linguagem aberta como a imagética, não á para qualquer um. Joseph Cedar do excelente “Nota de Roda-pé” (2011) que dirigiu e roteirizou o longa, realizou essa façanha com maestria. Porém, há que se prestar muita atenção no enredo, pois os aspectos são sobrepostos, os diálogos são rápidos e a vibe é muito engraçada.O que soa dissonante, mas é proposital e quem faz isso com competencia é a trilha sonora de Jun Miyake de “Comer, Rezar e Amar” (2010). Outro aspecto que merece destaque é a atuação de Richard Gere, que é mais lembrado por “Uma Linda mulher” (1990) do que pelo seu globo de Ouro por “Chicago”(2002) e está estupendo em “Norman”.

“Norman – Confie em Mim” (versão brasileira) é uma produção israelense, dirigida por um americano, protagonizado por um budista e que fala sobre consertar o mundo. Para olhos atentos é um diamante.

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s