It – A Coisa

It: A coisa (It) (Drama/Horror); Elenco: Bill Skarsgard, Jackson Robert Scott, Jaeden Lieberher, Jeremy Ray Taylor, Sophia Lillis, Jack Dylan Graezer; Direção: Andy Muschietti; USA, 2017. 135 Min.

Esse é o ano de Stephen King. Com duas obras de peso em cartaz concomitantemente, o escritor está com tudo e está prosa. Porém, como nada é perfeito, o que tem de dissonante em “A Torre Negra” tem de magistral em “It: A Coisa”. Adaptado do livro homônimo a personagem já foi alvo de um série de TV estrelada por Tim Curry. Mas, a versão cinematográfica dá um banho ao escolher o viés do medo como tema. Os medos de infância, a brincadeira com realidade e fantasia e a  opção pela continuidade que abre um leque de possibilidades ainda maiores, enriquecendo a obra e trazendo uma interpretação excelente de Bill Skarsgard como Pennywise.

A história consiste na aventura de um grupo de crianças entre 10 e 14 anos que investigam o desaparecimento de um deles: Georgie (Jacson Robert Scott), irmão do líder do grupo, Bill (Jaeder Lieberher).  Cada um tem seus medos secretos e esses são muito bem abordados pela trama conquistando o espectador e remetendo-o à sua própria infância. E essa estratégia põe em dúvida o que é realidade e fantasia, o que faz o horror funcionar bem.

As interpretações estão muito boas, com destaque para o menino Jack Dylan Graezer, o  Eddie que por vezes, rouba a cena. Mas o impagável mesmo é Bill Skarsgard que está para Pennywise como Heath Leadger está para o coringa. Sim, ele está bem a vontade e encaixado no papel com naturalidade e não nega o DNA  de família Skarsgard. A opção da argumentação como tema principal é genial porque dá a obra a possibilidade de filosofar sobre as questões trazendo a trama para o existencialismo contemporâneo e dando um ar de seriedade.

O roteiro encabeçado por Carey Fukunaga de “Beasts of no Nation” (2015) e Gary Dauberman de “Annabelle 2” trança muito bem essa interseção entre realidade e fantasia puxando para a dúvida entre uma e outra. A trilha sonora é ótima se encaixa bem na trama e é assinada por Benjamim Wallfisch de “Estrelas Além do Tempo” (2016). A fotografia não podia estar em melhor mãos, o cinegrafista sul coreano Chun-hoon Chung de “Oldboy” (2003) e “A Criada” (2016). A Edição, a cara da história foi feita por Jason Ballantine da equipe de edição de “Mad Max: Estrada da Fúria”. Ou seja, uma equipe muito boa dando o seu melhor na adaptação de uma obra respeitável do mestre Stephen King.

Dirigido pelo argentino Andy Muschietty “It: A Coisa” foi  a salvação da lavoura das adaptações das obras do escritor esse ano. Um produto de qualidade em todos os sentidos. Vale a pena conferir, mesmo para aqueles que não curtem o gênero.

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s