Divórcio

Divórcio (Romance/Comédia); Elenco: Camila Morgado, Murilo Benício, André Mattos, Angela Dippe; Direção: Pedro Amorim; Brasil, 2017. 110 Min.

Coproduzido e distribuido pela Warner “Divórcio” não é mais comédia brasileira. É um filme que versa sobre a separação conjugal com uma abordagem simples que insere graça de forma sutil. Não força a barra e funciona. Com roteiro de Paulo Cursino o longa é uma reflexão leve sobre separações, seus rituais e níveis de armistício.

Noeli (Camila Morgado) é uma filha de fazendeiro do interior de São Paulo – Ribeirão Preto – que foge do casamento arranjado para casar com Júlio (Murilo Benício). O tempo passa, o casal se estabelece economicamente, mas a relação já está corroída. Depois de um episódio sórdido decidem se separar e são envenenados por seus advogados para iniciarem uma batalha litigiosa. A graça não começa aí, ela vem desde o início com os sotaques, os tiques, os chistes de cada um, os costumes interioranos, os cacoetes,  manias e com os episódios que cada um se mete. Sem forçar a barra se ri do começo ao fim em doses homeopáticas com situações que são cotidianas, é claro existe alguma ênfase em um ou outro episódio para dar o tempero cinematográfico à coisa, mas nada que desequilibre o nível sutil do humor.

Baseado em um caso real, o longa tem atuações muito boas de Camila Morgado de “Olga” (2004) e Murilo Benício conhecido das telenovelas brasileiras que seguram o filme o tempo todo. As participações de André Mattos e Sabrina Sato e a liga que a personagem de Angela Dippe traz para a história também merecem destaque. A direção de Pedro Amorim de “Mato sem Cachorro” (2013)  e fotografia de Helcio Nagamine completam a empreitada embalados por música sertaneja como caracterizador regional e de nível cultural.

No mais, “Divórcio” é um filme light bastante divertido que cumpre seu objetivo que é entretenimento.

 

 

Advertisements

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s