Churchill

Churchill (Biografia/Drama/Thriller); Elenco: Brian Cox, Miranda Richardson, John Slattery, Julian Woodham, James Purefoy, Ella Purnell; Direção: Jonathan Teplitzky; Reino Unido, 2017. 105 Min.

Winston Churchill (1874-1965) ex-primeiro ministro britânico e famoso por sua atuação na Segunda Guerra Mundial tem sua biografia ovacionada em dois longas-metragens esse ano. O fashion, dirigido por Joe Wright e estrelado por Gary Oldman e o cult dirigido pelo australiano Jonathan Teplitzky com Brian Cox como o personagem histórico. Ambos visam dar uma ideia da personalidade da autoridade inglesa, um pela ousadia, coragem e heroísmo e o outro mostrando um homem comum, cheio de conflitos, dado à depressão, mas, nem por isso menos brilhante. Apenas, mais humano, mais próximo do homem comum. E é sobre esta abordagem que “Churchill” nos apresenta um dos homens mais expostos do lado aliado na Segunda Grande Guerra de forma magistral.

A abordagem é feita pela historiadora e pesquisadora britânica Alex Von Tunzelmann no roteiro e pelo diretor Teplitzky num recorte de tempo que corresponde às 96 horas anteriores ao dia D – a invasão da Normandia – conhecida oficialmente como operação Overlord e a primorosidade de detalhes é uma degustação à parte para quem gosta de História. O longa é comparável ao filme “Diplomacia” de Volker Schlöndorff que tem a mesma pegada – a dialogal – é sobre o mesmo período só que entre um embaixador francês e um comandante alemão. Também fatos reais.

Em “Churchil” temos um político apaixonado, inflamado por suas responsabilidades, auxiliado por sua mulher Clemmie (Miranda Richardson), seus assistentes e sua secretária Helen Garret (Ella Purnell). O viés é o da pessoa do chefe de Estado, sua vida pessoal, sua intimidade dentro do contexto abarcado, suas responsabilidades e angústias e não da instituição Primeiro-Ministro. O forte do longa é o roteiro que mistura as duas coisas na dose certa e ainda tem diálogos políticos/estratégicos procedentes e ricos em detalhes.

O destaque para essa produção cinematográfica de qualidade são as atuações brilhantes, começando por Brian Cox de “Tróia” (2002) como Churchill e todo o seu núcleo, que inclui Miranda Richardson, John Slattery  como Dwight Eisenhower  de “Spotlight” e Julian Woodham como General Montgomery de “A Nona Vida de Louis Drax”. A direção de Jonathan Teplitzky de “Uma Longa Viagem” é pontual, discreta, objetiva e bem enxuta e iça o homem Winston Churchill à admiração, mesmo que contida e polida.

Para quem gosta de História e de biografias é, simplesmente, imperdível.

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s