Com Amor, Van Gogh

Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent) (Animação/Biografia/crime); Elenco: Robert Gulaczyk, Aidan Turner, John Sessions, Douglas Booth; Direção: Dorota Kobiela & Hugh Welchman; Reino Unido/Polônia, 2017. 94 Min.

Indicado ao Globo de Ouro na categoria de melhor animação, o primeiro longa-metragem pintado a mão da História do cinema é uma homenagem muito bem pensada  ao pintor holandês Vincent Willem Van Gogh (1853-1890), da escola impressionista do final do século XIX.  O mote que sustentou magnificamente essa empreitada não foi a abordagem, mas o uso da técnica  de Van Gogh na pintura dos frames e o uso  das referências na obra do autor para serem os lugares de partida para a história fictícia.

O argumento de colocar o Armand Roulin (Douglas Booth) a procurar Theo Van Gogh, irmão de Vincent, para entregar-lhe uma carta é um só uma desculpa para contar a história dos últimos dias de Van Gogh, traçar um painel de sua personalidade e um mosaico do tipo de sociedade que se tinha naquele espaço, naquela época. Por trás de toda essa empreitada estão mais de uma centena de artistas plásticos pintores, selecionados a partir de um contingente de mais de cinco mil candidatos e que partiram de referenciais de quadros da obra de Van Gogh para contar essa história de investigação sobre a morte do pintor como: o “Retrato de Pere Tanguy” (1887); o céu de “Campo de Trigo com Ciprestre” (1889); “A Noite Estrelada” (1889); “Campo de trigo com Corvos” (1890) e muito mais, usando a mesma técnica do pintor. Diferente de “O Homem Duplo” de Richard Linklater em que a filmagem foi transformada em animação por computação gráfica, em “Com Amor, Van Gogh” o ponto de partida foi a obra de Van Gogh, depois a gravação dos  takes/cenas e a pintura deles a mão frame por frame depois  a edição disso tudo. Nos lembra o tempo glorioso da animação feita a mão pelos studios Disney, criando o movimento perfeito da animação mundial.

A direção dessa jornada ficou por conta de Dorota Kobiela de “The Flying Machine” (2011) e Hugh Welchman um especialista em efeitos especiais que trabalhou no oscarizado “Piaf – Um Hino de Amor” (2007). Usando personagens da vida real de Van Gogh e de seus retratos como: Pere Tanguy (John Sessions), The Boatman (Sidan Turner), Doutor Gachet (Jerome Flynn), e interpretado por Robert Gulaczyk “Loving Vincent” (no original) é uma homenagem extraordinária sob a desculpa de contar a história da entrega de uma carta. Que  está sob os holofotes nessa empreitada são os cinegrafistas Tristan Oliver de “A Fuga das Galinhas” (2000) e o reverenciado Lukasz Zal de “Ida”, pelo qual ganhou o sapo de ouro do Camerimage ( O Oscar da fotografia) e a edição feita pela própria Dorota em parceria com Justyna Wierszynska. O pilar de sustentação da obra é a fotografia e sua técnica artesanal misturada a uma tecnologia de ponta. Juntando Van Gogh, sua técnica e a computação gráfica, o século XIX e século XXI. E mais, um desagravo digno de aplausos a quem passou por tantas violências e morreu na miséria, sobrevivendo a muitos de seus contemporâneos em importância póstuma. Agora tem sua obra merecedora dessa eternização através de fusão de tecnologias e suportes. (Mais detalhes no final do texto no behind the scenes).

Essa inusitariedade ousada rendeu ao longa o prêmio do público no Vancouver international Film Festival  e no Annecy International Animated Film Festival e na 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo; melhor animação no Shangai International Film Festival e no European Film Awards. A co-produção entre o Reino Unido e a Polônia vale a pena ser conferida e constar na videoteca de casa ao lado do primeiro filme do cinema realizado pelos Lumière em 1895 para percebermos o caminho que trilhou o cinema nos últimos 122 anos. A mistura de linguagem e o avanço tecnológico  a serviço da arte. “Com Amor, Van Gogh” é uma obra-prima homenageando um dos grande nomes da pintura  impressionista. Uma obra de arte cinematográfica sem tirar nem pôr e tem com cara de  Oscar. Simplesmente GENIAL!

Saiba mais:

 

About Sonia Rocha

Crítica Cinematográfica, Professora de Filosofia e História, Mestre em Educação (UERJ) e Pesquisadora de Cinema e Educação.
This entry was posted in crítica cinematográfica and tagged , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Com Amor, Van Gogh

  1. Fernando Guimaraes Leite says:

    Uma pena não ter levado o prêmio de melhor animação. Um grande filme!
    Conheci através do site vejaumbomfilme.com.br e agora com mais profundidade no seu blog. Parabéns pelo texto e por toda análise!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s